Notícias

Alunos realizam atividades práticas, cheias de diversão e conhecimento

Venda de geladinhos, bolhas de sabão, alimentação saudável e biomas brasileiros... Qual será o resultado de tudo isso junto? Um dia de muito aprendizado e diversão! E foi isso que os alunos do Fundamental 1 vivenciaram na última sexta-feira, dia 31.  Como é de costume, o Colégio do Salvador proporciona aos alunos atividades variadas, para que o ato de aprender seja, também, um momento de diversão.


O projeto entregou um tema para cada uma das séries do Fundamental 1: os segundos anos ficaram com a alimentação saudável; os terceiros anos aprenderam sobre a reciclagem do óleo de cozinha; os quartos anos trabalharam com os biomas brasileiros e os alunos dos quintos anos tiveram, como tema, o empreendedorismo e a educação financeira. O intuito foi que os alunos pudessem desenvolver atividades que estão vinculadas aos conteúdos vistos em sala de aula. “Só trouxemos para este projeto o que já é comum para nossos alunos: a questão do meio ambiente, da alimentação saudável, da reciclagem. Os quintos anos, por exemplo, desenvolveram essa atividade de vender os geladinhos, inspirados num paradidático adotado pelo Colégio do Salvador, que ensina como as crianças devem utilizar e investir o dinheiro”, Explicou a coordenadora do Fundamental 1, Ana Carla Ferreira.

 

Alimentação saudável

Nos segundos anos, o aprendizado estava com uma cara e um gosto bem diferente. Estava tudo muito colorido e adocicado. Tudo porque as protagonistas da aula eram as frutas. As professoras aproveitaram o tema “Alimentação Saudável” e aproximaram as crianças desse tipo de alimento. “O projeto começou com explicações sobre a importância das frutas, as vitaminas, mostrando que devemos comer pelo menos três frutas por dia. Trabalhamos em sala de aula com vídeos, figuras, pintura, atividade escrita. Tudo isso, para tentar mudar a cabecinha deles sobre algum tipo de rejeição de frutas, legumes, verduras”, explicou a professora Lucivânia Nascimento Leite. Além do ensinamento didático, tudo que foi visto pelos alunos durante o desenvolvimento deste tema, servirá para o resto da vida deles. “Era comum eles chegarem com biscoito recheado, sucos de caixinha nas lancheiras. Após a primeira aula sobre a importância das frutas, muitos deles trouxeram fruta como lanche e ficavam todos empolgados para mostrar”, contou satisfeita.

Pietro estava ansioso, esperando a hora de comer a salada de frutas. Mal acabou e já queria mais! “Eu amo comer frutas! Para mim, todas são muito gostosas e eu já sabia que elas fazem bem”, disse, orgulhoso, Pietro Ribeiro.

Já Mariana Eloy, confessou que as aulas trouxeram algo novo para ela. “Gosto muito de fruta e tenho o costume de comer em casa. Adorei essa aula porque eu aprendi que elas fazem bem, tem muitos nutrientes. Então, agora vou comer ainda mais”, garantiu.

 

Óleo reciclado

Que criança não gosta de brincar de bolha de sabão? E se essa brincadeira trouxer consigo uma consciência ecológica? Foi justamente este o resultado do projeto desenvolvido com os alunos dos terceiros anos. Primeiramente, eles aprenderam sobre a reutilização de alguns produtos, que, descartados de maneira errada, podem prejudicar o meio ambiente, como é o caso do óleo de cozinha.

De acordo com o professor Antônio Matos Filho, os alunos participaram de toda concepção do projeto. “Trouxe o tema para eles e assim começamos a trabalhar. Falamos sobre a importância de reutilizar produtos que usamos no dia-a-dia, ressaltando o prejuízo que esses materiais podem causar ao meio ambiente. Eles participaram desde a coleta desse óleo, até uma aula sobre a confecção do sabão”, explicou o professor. O principal objetivo dessa oficina era, além de criar uma consciência ambiental, mostrar para os alunos que é possível reciclar. “Mostramos de forma concreta que essa reciclagem pode ser feita. Muitos estudantes podem ter a perspectiva de que reciclagem só é feita por empresas, que é algo complicado e aqui nó mostramos que está ao toque das mãos deles”, destacou Antônio.

Durante a explicação sobre o processo necessário até chegar no sabão líquido, os alunos estavam concentrados. Mas, na hora de fazerem as bolhas, a alegria tomou conta de todos eles e um universo de descobertas foi aberto. Lucas Gusmão ficava encantado com as bolhas enormes que conseguia fazer e adorou essa transformação aprendida. “Não sabia que dava para reciclar o óleo e, com isso, fazer bolhas de sabão. Eu adorei essa aula! Também aprendi que não devemos jogar óleo na pia. Dá para reutilizar de uma forma bem divertida”.

Maria Luiza Garcez também estava bem consciente sobre o uso do óleo, mas não disfarçou a empolgação de fazer as bolhas. “Eu achei essa aula muito legal, principalmente, utilizando óleo de cozinha, que eu não sabia que podia. Vou falar lá em casa que não pode jogar o óleo na pia e que dá para reutilizá-lo".

 

Biomas

Os ecossistemas das regiões brasileiras foram bem representados pelos alunos dos quartos anos. Eles criaram maquetes com as características de cada região, trouxeram comidas típicas e explicaram cada detalhe do trabalho. A professora Rosian Melo comentou acerca da animação dos alunos: “Desde quando o projeto foi lançado, eles criaram muita expectativa e mostraram-se  empenhados em pesquisar, em construir os cartazes, trazer conhecimentos sobre os biomas do Brasil, inclusive da nossa região”, contou orgulhosa. Para a professora, ensinar com a possibilidade de colocar a teoria em prática através desses projetos, é saudável tanto para alunos quanto para docentes.  “Atividades assim ajudam muito no processo de aprendizado, porque eles participam, tornando esse processo muito mais produtivo, já que o aluno não está apenas recebendo a informação; está buscando-a para passar adiante”.

Quem trabalhou com a região Nordeste, teve a chance de conhecer mais sobre as qualidades do nosso bioma. “Gostei de falar sobre nossa região. Assim eu aprendi mais sobre o Nordeste e com uma atividade assim fica ainda mais divertido”, contou a aluna Marina Franco.

O que Yasmin Colares mais gostou, foi da possibilidade de dividir as tarefas com os colegas de sala. “Achei muito legal fazer a maquete, porque fizemos tudo junto, em grupo. Demorou um pouco, mas, com a ajuda um do outro, conseguimos fazer e ficou tudo muito bonito”.

 

Empreendedorismo

Quem chegou no Colégio do Salvador na última sexta-feira, 31, viu várias propagandas espalhadas sobre a venda de geladinhos ou sacolés. Tudo fazia parte de uma jogada de marketing pensada pelos alunos dos quintos anos. De acordo com a professora Rinalda Quaranta, desde o início do ano, os alunos vinham trabalhando nesse projeto. "Vender os geladinhos é apenas uma pequena parte de tudo que os alunos terão a chance de aprender. Parte da renda arrecadada com os produtos, será revertida para a compra de brinquedos, que serão doados em um orfanato. O objetivo é que eles desenvolvam essa consciência cidadã de que não estão sozinhos no mundo: ‘eu participo, eu construo e eu transformo o mundo’. Também desenvolvemos a cooperação, porque, se um não vender, os outros colegas devem ajudar. Tudo deve ser dividido: lucros e prejuízos”.

“Quem quer comprar um sacolé?” Essa frase ecoou pelos corredores do Colégio. Os alunos subiam e desciam as escadas com seus isopores para acabar com o estoque. Ana Carolina adorou a experiência. “Achei muito divertido porque essa atividade nos ensinou a empreender. Adorei criar o projeto, sair para vender e estou ansiosa para doar os brinquedos para as crianças do orfanato”.

Galeria Voltar Galeria Avançar
Carregando legenda